Sobre a adaptação dos Professores da educação infantil

Tempo de leitura: 3 minutos

Discutimos e pensamos muito sobre a adaptação das crianças na educação infantil. Mas e o professor? Como o(a) professor(a) vive e sente as diferentes adaptações ao longo da carreira? Já pensou nisso?

Acredito que o maior desafio de adaptação das professoras, é, sem dúvidas, chegar em seu primeiro dia como Professora! E agora? O que fazer? Como fazer? Cadê o manual? Quem vai me ajudar? Socorro!!! O primeiro dia como professora a gente nunca esquece!

Lembro do sentimento de insegurança, de planejar em vão, de tentar cumprir programas e das crianças não se envolverem. Que angústia, tentar organizar um grupo e não saber como! Com o passar dos anos, a experiência me ajudou a superar a frustração e me trouxe a segurança de uma prática reflexiva, baseada na escuta, na observação e em estar junto das crianças. Hoje, ajudo muitos professores a começar na profissão, que alegria!

Outra experiência de adaptação é ter que mudar de turma. Houve um tempo em que passei uns 5 anos como professora das crianças de 3 anos. De repente, tive que ir trabalhar com os bebês. Adaptação difícil para qualquer professor! O sentimento inicial foi de recusa, fiquei pensando nos desafios, o que fazer com os bebês. Mas logo me encantei pela possibilidade do novo, de aprender e ampliar minhas competências profissionais. E me adaptei. Hoje, essa experiência me capacitou para o trabalho com o berçário na formação de professores da infância. Só agradeço a oportunidade! Como cresci com os pequenos! Conhecer e trabalhar com crianças de todas as idades ajuda a aprender mais sobre elas. Torna o professor da infância um profissional mais completo!

Um outro tipo de adaptação que vivi como professora foi ao mudar de instituição. Mudar de escola nunca é fácil. Estava acostumada com as colegas, famílias, funcionários, meu local de trabalho tranquilo e previsível. Começar a trabalhar em uma nova escola trouxe novos desafios, novas relações, ambientes, tudo novo. Busco sempre observar, interagir com aqueles que se mostram mais acolhedores e em pouco tempo, já me sinto em casa! Se você vai começar em escola nova, procure observar , ter boa escuta das crianças e adultos e boa sorte!

Sair da sala de aula e ir para a coordenação ou direção pedagógica da instituição também é outro momento de adaptação importante na vida de um professor da infância. Ser aceito pelos colegas e pelas famílias nesse novo lugar dá aquele frio na barriga! Mas estar na gestão é também um desafio motivador que todo professor que queira, deve experimentar. E se não der certo, volte a buscar o que te faz feliz na escola. Eu, por exemplo, tive uma experiência bacana como coordenadora mas não me identifiquei nessa posição. E voltei, sem dramas, para a sala de aula, meu maior laboratório! Hoje, não tenho medo de mudar, aceito desafios!

Outra adaptação difícil é vivenciada por quem trabalhava no ensino fundamental e muda para a educação infantil. São outras referências! Tudo novo! Muito diferente! É preciso estudar, conhecer as crianças pequenas e abrir o coração para quem está começando a construir seus conceitos sobre o mundo. E preste atenção: não adianta adaptar as atividades do ensino fundamental para a educação infantil. Bebês e crianças até os cinco anos de idade possuem saberes específicos. Não faz sentido adaptar atividades, faz sentido estudar e planejar o melhor para cada grupo.

Um dica boa, para qualquer adaptação é conhecer e aprender com as crianças e famílias, organizar espaços para que as crianças possam explorar, brincar, interagir. Escrever percepções e planejar a partir desses interesses da meninada. Conversar e tirar suas dúvidas com outros professores e coordenação,buscar ajuda. Ler, estudar, observar os colegas mais experientes e aprender com eles!

E o mais importante: se você está feliz em ser um profissional da infância, confie nessa escolha, confie em você, professor(a)!